Interfaces Desfigurativas

Home » Fotografias » Crítica de Adriana Maria dos Santos aos solos Entre Terra e Meum Corpus

Crítica de Adriana Maria dos Santos aos solos Entre Terra e Meum Corpus

No espetáculo cênico Interfaces Desfigurativas Intercâmbio ENTRE SOLOS, em que foram dançados os solos Meum Corpus e Entre Terra,  de imediato observa-se tensões e inquietações deflagradas pela presença de corpos solitários debatendo-se com o espaço vazio, com o solo, com objetos, consigo próprio.

Como observadora logo sou imersa na cena, na angústia da transfiguração ou como é mais apropriado, na desfiguração que, porquanto ali no cenário posto, enlameado e limpo simultanemante, acontece. Observo um corpo, dois corpos a cada vez, em estado compulsivo, em contorções, em auto se fazendo alter, sugerindo (e assim me vejo tomando a palavra simulacro) uma descamação, uma saída de casulo, uma agonia de desfigurar a face, a pele que será imersa por camadas de argila.

Não é uma dança apenas, é como diria a consagrada canção é “um ballet esquisito”, é um corpo se contorcendo em ângulos, pontas, perfurações no espaço. Avessas, tortuosas formas lhe vão sendo dadas e esquecidas segundos depois, na ordem do ator e da atriz que perfazem um caminho de transgressão da harmonia pelo rito de passagem eleito.

A terra se constitui em uma transformação cujo informe a configura. Plantas, aves, peixes, nuvens tudo se contorce em permanente busca por cumprir uma ordem de coisas que visam a sobrevivência, em um processo de adaptação, de procriação, de regeneração e perenidade mutante.

O rosto coberto pela argila sugere a máscara primordial do ser ancestral. O monstruoso emerge e se desfaz; me atenho aos movimentos, de início é uma sobreposição de pequenos gestos concentrados na face, a modelam gestualmente. A desconstrução da imagem que desborda o sentido dos termos esgar, grunhir, ruídos ancestrais que por instantes permeiam o espetáculo, o qual se veste de ritual talvez de cura, talvez de passagem, nota-se um intenso embate do corpo, talvez sugerindo uma preparação do ritual de sacrifício. A massa de argila e a água envolvem o corpo, conduzem à desfiguração.

A respiração, a transpiração, a fluência da ação sobre o material tornam a ação uma passagem entre a descontinuidade subjetiva e o ritual do cotidiano, um momento cuja sequência é instável, transborda a espera, a gestação de outro corpo sob os olhares atentos, silenciosos em sua presença ausência, em testemunhos de corpos que se debatem, se excedem, se contraem. No desejo presente na vertigem, consolida-se a queda, a imersão na argila, a derradeira desfiguração, a morte.

Em uma estratégia de roteiro, se reconfigura a vida aos que apreciam o teatro de corpos, lama e penumbra, o espaço ganha vida através de uma linha imaginária entre eu e os outros. Estes e eu na condição de descontinuidade, entre abismos testemunhamos a volta do corpo à “normalidade” apresentada por uma peça de vestuário, um casaco vermelho que permanece na cena.

Na passagem para outro corpo, constato uma estetização da agonia que nos constitui diariamente como seres mutantes, em desfiguração resultante da dor, do amor, da banalização do riso, do choro, da experiência social ou solitária, do acordar, do adormecer, da esperança e desesperança de cada dia, na diluição dos sonhos, na reconfiguração do mapa da palma da mão, da dimensão da pupila, da forma do corpo que não pára de perecer com intervalos de satisfação e tédio, por vezes em compulsão catatônica.

É a desfiguração permeando a vida entre um balde de argila e um balde de água, entre mãos e rostos, gestos que problematizam a anestesia do corpo, do nosso no caso como receptores conscientes ou não das interfaces da matéria em frequente mutação.

Adriana Maria dos Santos

Artista pesquisadora

Ilha de SC, 2013

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: