Interfaces Desfigurativas

Oficina de Dança

10/11/12 de maio de 2013. Oficina de dança com Ghel Nikaido: Diretor da Associação FAVELA (Brasil/França).

 

 

A oficina de dança será realizada na Casa das Máquinas e irá pincelar aspectos da Pesquisa em Desfiguração e Hip-Hop – PDHH. Trata-se de uma pesquisa que estabelece imbricações entre o corpo orgânico e o corpo máquina, permeando uma discussão intensa com a identidade do sujeito que dança. Pretende-se estimular a percepção aguçada para a criação cênica por meio da inserção de técnicas das danças urbanas ­- popping, loking, breaking, freestyle – e desfiguração em arte (não será utilizado argila). Dentre as proposições estão o estudo da contração e descontração muscular, o corpo em colapso,  as possíveis relações sociopolíticas tramadas entre o sujeito e o mundo através do movimento da dança, e a utilização da fala como estratégia desfigurativa. Os alunos poderão levar elementos de suas pesquisa pessoais para um momento de compartilhamento e discussão sobre as potencialidades de seu trabalho, no intuito de adquirir outros olhares para a composição cênica.

Breve Histórico

Após uma longa jornada no Grupo de Rua de Niterói, dirigido por Bruno Beltrão, grupo no qual Cordeiro pode dançar Telesquat, H2 entre outras composições do G.R.N., o bailarino passou a morar em França, onde se encontrou com o artista francês Olivier De Sagazan – escultor, performer, pintor – instaurando uma pesquisa híbrida em dança. Após três anos de pesquisa o bailarino criou a performance Danse du chaos, apresentada em Bayonne/ França. Subsequentemente passou a trabalhar no solo Meum corpus Ghel, no qual pode firmar os parâmetros da Pesquisa em Desfiguração e Hip-Hop. O trabalho Meum Corpus, em sua nova versão realizada a partir do prêmio Klauss Vianna 2012, proposto por Elisa Schmidt, será apresentado em Florianópolis em junho.

Local: Casa das Máquinas

Horário: As aulas serão nos dias 10,11 e 12 de maio, sextas das 18:00 às 22:00, sábado e domingo das 14:00 às 20:00h.

Valor: 15,00reais

  • Inscrições: elisadesfigura@gmail.com
  • Envie uma carta de 5 linhas sobre as atividades que costuma praticar para te conhecermos melhor.

Informações: 48 99628010 (Elisa Schmidt)

Vagas: 25

Bolsa de pesquisa

O Projeto Interfaces Desfigurativas, em parceria com a Aliança Francesa de Florianópolis, vem comunicar que está disponibilizando uma bolsa de estudos de língua francesa para Adriana Maria dos Santos. A equipe do projeto convidou Adriana Maria dos Santos para acompanhar o processo de criação com a finalidade de que escreva um texto, de livre escolha metodológica, acerca dos solos compostos através do Klauss Vianna 2012. O critério de seleção da bolsista foi seu singular conhecimento acerca do tema proposto. Esta parceria se tornou possível graças a concessão de uma bolsa de estudos pela Aliança Francesa, que está incentivando a difusão de conhecimento e intercâmbio cultural entre artistas brasileiros e franceses. Agradecemos ao Fernand Defournier e a equipe da Aliança por este vínculo.

 

CURRICULUM VITAE

Adriana Maria dos Santos

25/07/1965

Rio do Sul/SC Brasil

Reside e trabalha em Fpolis/SC Brasil

Formação Acadêmica

2013-2009 (andamento) – Doutorado em Teatro PPGT/UDESC

1998 – Mestrado em Poéticas Visuais UFRGS/RS

1987 – Graduação Licenciatura em Educação Artística – UDESC

Exposições

2013 – Cor Galeria – “Percepções Contemporâneas de Meyer filho” – Coletiva – Fpolis/SC

2013 – Coletiva Impugnare – Centro Cultural de Eventos Chapecó/SC

2011 – 2ª EDIÇÃO Exposição DESENHO DE MONSTRO  Coletiva de artistas.Atelier B5. Centro Fpolis/SC

2010 – 1ª EDIÇÃO Exposição DESENHO DE MONSTRO  Coletiva de artistas.

Travessa Cultural.  Centro Fpolis/SC.

2010 – Individual pinturas “Interlocução entre Monstros” – Galeria Memorial Meyer Filho – Fpolis/SC

Atuação Profissional

2012/2013 – Professora colaboradora Ceart/Udesc

Disciplinas ministradas
Desenho como ExpressãoPoéticas do Desenho

Introdução ao Desenho

 

2007/2011 – Professora colaboradora Ceart/Udesc

05/2007 – Ensino, Bacharelado em Artes Visuais, Nível: Graduação.
Disciplinas ministradas
Forma e conceito na contemporaneidade
Formas Pictóricas
Pintura IReflexão e Orientação de Projeto Pessoal

Elaboração de Projeto de Instalação em Campo Expandido

2009 – 2011 Projetos de pesquisa
Interlocuções entre Monstros

Artigo: Samuel Beckett e a Pintura. ISSN: 1808-3129 vol.9

Outros 

2013 – Membro da comissão de seleção de projetos de exposição Centro Cultural Badesc – Fpolis/SC

  

Meum corpus

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O solo de dança  Meum corpus  consiste na composição coroegráfica a partir de imbricações entre a desfiguração em arte e o hip-hop – popping, loking, breaking, freestyle. O solo é uma maneira do bailarino George Cordeiro encontrar sua linguagem artística autônoma após a experiência adquirida com o Grupo de Dança de Rua de Niterói, dirigido por Bruno Beltrão. Depois de dançar Telesquat, H2 entre outras composições do G.R.N., o bailarino passou a morar em França, onde se encontrou com o artista francês Olivier De Sagazan – escultor, performer, pintor – instaurando uma pesquisa híbrida.

Direção artística e coreográfica: George Cordeiro

Assistente de coreografia : Elisa Schmidt

Concepção coreográfica: George Cordeiro / Olivier de Sagazan / Elisa Schmidt

Intérprete: George Cordeiro

Concepção Iluminação : Ivo Godoys

Cenógrafo: Roberto Gorgati

Sonoplastia: Taro Locherbach

Participação especial berimbau: Vagner Freitas (Mestre Minhoca)

Designer de fotos: Leila Sagazan / George Cordeiro

 

Transfiguração

Artista da desfiguração em arte, Olivier De Sagazan propõe uma performance com seu próprio corpo para questionar o ser vivo e a sua transformação. Em uma rara intensidade, sua obra despertou o interesse de produções literárias importantes, como: Verrièle Philippe, Michel Surya, Ron Fricke….

peint15-36

 

 

 

 

 

 

15ae09_04728cb9346b96ea4ebadb5a149d8089.png_srz_388_58_75_22_0.50_1.20_0.00_png_srz